Agenda

História de Vida de Fabricia Maiato
  • Postado em: 23 Agosto, 2016

Oi, meu nome é Fabricia Maiato Scotti, nascida em 13 de outubro de 1987 (27 anos), sou casada e tenho uma filha de 10 anos, moro no bairro Laranjinha e aqui vou contar minha história de vida dos últimos meses. Meu antebraço esquerdo apareceu um caroço, em maio de 2014, e resolvi investigar um possível nódulo e mais investigações. Para meu espanto, era um tumor com características malignas. A partir dai começou minhas dúvidas e meus medos, e pensei por um momento: “Porque comigo?”. Assim que souberam todos se mobilizaram para me dar forças, era o que eu mais precisava no momento. Cirurgia marcada no dia 11 de junho de 2014 e tudo ocorreu bem. Depois que me operei meu psicológico  afetou e muito, não dormia e pensava o que aconteceria comigo dali para frente, pois estava ansiosa esperando o resultado da biopsia. Duas biopsias foram feitas. E enfim o resultado: metástases de melanoma avançado, ou melhor, dizendo câncer de pele, nível quatro e se não bastasse isso, lesão secundária. E exames e mais exames e tomografias para descobrir onde ou em que parte do meu corpo estaria à lesão primária. Foi então que meu médico sugeriu que eu fizesse um exame muito caro, feito em Florianópolis, que detectaria onde estava o outro câncer e só com esse resultado para eu começar o tratamento devido, a quimioterapia. Não tinha mais o que fazer a não ser se ajoelhar e pedir que o Senhor me livrasse desse câncer e me desse uma nova oportunidade em minha vida. Depositei minha fé no Senhor Jesus acreditando que ele iria fazer o melhor para mim e fui á Florianópolis fazer esse exame. Muitos dos meus amigos e familiares oravam comigo e eu aos prantos clamando ao Senhor. Passou-se uma semana e o retorno no médico para saber qual o resultado. Os médicos olharam para mim e me disseram que não havia mais nada em meu corpo, que nada foi encontrado. Imediatamente agradeci ao meu Deus, pois não havia presente maior que ele poderia ter me dado, era no dia 13 de outubro de 2014, bem na data do meu aniversário. Nestes últimos meses fiz muitos amigos e foi através de algum deles que conheci a AMOVI (Associação Amor á Vida), de Criciúma, onde apoiam pessoas portadores de câncer. Lá senti que não estava sozinha nessa, pois as pessoas que conheci são maravilhosas, que não medem esforços para te ver bem e te ajudar no que for preciso. Agora, também sou membro dessa associação, talvez a oportunidade de ajudar o próximo e levar minha história de vida há muitos que também estão passando e sentindo o mesmo que já passei e senti. Hoje, me submeto a sessões de fisioterapia, pois minha mão ficou com sequelas após a cirurgia, durante um ano o tratamento, para o câncer não aparecer mais. O que é um ano para o resto da vida, não é? Estou muito feliz e deixo meu recado: “O câncer tem cura!”.